Jornalismo Ambiental no Brasil e no Mundo

Notícias e conteúdos sobre a prática do jornalismo na área de meio ambiente no Brasil e no Mundo

Para Belmonte, o Jornalismo Ambiental é fruto da aliança entre jornalistas e ambientalistas

Deixe um comentário

Fotografia de Eliege Fante - EcoAgência de Notícias

Fotografia de Eliege Fante – EcoAgência de Notícias

O Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul (NEJ-RS) realizou a Terça Ecológica sobre A História do Jornalismo Ambiental no Rio Grande do Sul, na última terça-feira (2/6/2015), na FABICO – Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da UFRGS. 

O evento integrou a programação paralela do 10º Encontro Nacional de História da Mídia (Alcar 2015), que ocorre na UFRGS entre 3 e 5 de junho. A atividade, mediada pela jornalista e professora da UFRGS, Ilza Girardi, contou com a presença dos palestrantes, também jornalistas, Juarez Tosi, atual coordenador geral do NEJ-RS, e Roberto Villar Belmonte, professor da UniRitter.

Terça Ecológica iniciou-se com a exibição de um trecho do programa Cidades e Soluções, da GloboNews, exibido em dezembro de 2011, que abordou o Jornalismo Ambiental e a criação, em 1990, do NEJ-RS, pioneiro no país e primeira entidade ambiental atuante pela Internet. Hoje o NEJ-RS é uma organização de referência nacional em Jornalismo Ambiental, com participação ativa nos principais eventos relacionados ao tema.

Juarez Tosi iniciou a palestra discorrendo sobre a sua própria trajetória no jornalismo ambiental, lembrando do período em que trabalhou no jornal Zero Hora, nos anos 80, e passou a propor pautas sobre meio ambiente. Tosi também comentou história da Borregaard, atual CMPC Celulose Riograndense, fábrica de celulose implantada na cidade de Guaíba (RS) em 1972. “A empresa em seu processo produtivo emitia um cheiro insuportável e toda a população de Porto Alegre reclamava. Após muitas reclamações e pelas matérias jornalísticas sobre o tema, principalmente no jornal Correio do Povo, a Borregaard fechou suas portas por um período de aproximadamente dois anos”. Esta foi uma das primeiras vitórias do movimento ambientalista no estado, que contou com o apoio dos meios de comunicação locais.

A criação da Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente (Agapan) em 1971, as Conferências da ONU, em Estocolmo, em 1972, e no Rio de Janeiro, em 1992 e 2012, foram alguns eventos que, segundo Tosi, estimularam a cobertura de assuntos ambientais no Rio Grande do Sul e no Brasil. “As questões ambientais somente eram lembradas quando ocorriam desastres ambientais e atualmente não existem medidas efetivas, somente remediações”, pontuou. O coordenador geral do NEJ-RS recordou o desastre ecológico ocorrido em 1978 na Praia do Hermenegildo, em Santa Vitória do Palmar (RS), em que o derramamento de produtos tóxicos no mar causou a morte de animais nas águas e em terra.

O jornalista Roberto Villar Belmonte iniciou sua participação em tom preocupado: “O Rio Grande do Sul tem uma história e uma experiência riquíssima em Jornalismo Ambiental, mas o gaúcho sequer sabe disso”, lamentou. Segundo o professor da UniRitter, o estado serve como modelo de pensamento ecológico, a partir de  sua história de Jornalismo Ambiental pioneira.

O palestrante apresentou a hipótese de que o Jornalismo Ambiental somente existe em aliança com o movimento ambientalista: foi no debate ambiental, em episódios como a poluição causada pela Borregaard na década de 70, que se provocou a primeira discussão sobre o modelo de desenvolvimento nos veículos de comunicação do estado. “O Jornalismo Ambiental é um tensionamento permanente”, resumiu Belmonte, que questionou o porquê de ser mais difícil hoje fechar esse tipo de aliança com as mídias para realizar outras denúncias importantes. O professor e jornalista ainda mostrou aos participantes da mesa alguns exemplares de publicações históricas em Jornalismo Ambiental, tais como AgirAzul, Boletim Ambientalista e Revista Consciência.

Belmonte destacou a importância da disciplina de Jornalismo Ambiental nos cursos de Jornalismo, que na UFRGS foi criada pela professora Ilza Girardi. A pesquisadora então defendeu que o jornalista deve incorporar a pauta ambiental em todo o seu trabalho, posição que foi aprovada pelo público. Ao final, a mediadora elogiou o envolvimento dos presentes no debate. “As parcerias são muito importantes para levarmos adiante nossa missão de disponibilizar informações qualificadas sobre meio ambiente.”

Matéria de Assessoria de Imprensa da ALCAR – Estudantes Jaqueline Selistre e Marilene Flores com a supervisão das jornalistas responsáveis Ângela Camana e Débora Gallas. Reproduzido da EcoAgência de Notícias (fonte)

Advertisements

Autor: Redação

Jornalista, Porto Alegre, RS Brasil.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s