Jornalismo Ambiental no Brasil e no Mundo

Notícias e conteúdos sobre a prática do jornalismo na área de meio ambiente no Brasil e no Mundo

Atenção repórteres: buscamos pautas sobre mineração no Brasil

Deixe um comentário

A Agência Pública e o Comitê Nacional em Defesa dos Territórios Frente à Mineração vão distribuir quatro bolsas de 7 mil reais para repórteres produzirem reportagens investigativas

02_07_texto2_comlogo_tt (1).png

 

A 12ª edição das Microbolsas de reportagem está com inscrições abertas. Desta vez, a Agência Pública se junta ao Comitê Nacional em Defesa dos Territórios Frente à Mineração para convocar repórteres de todo o país para propor pautas investigativas sobre a mineração e suas consequências para a população e o meio ambiente. As inscrições devem ser feitas até o dia 7 de agosto por este formulário. Serão distribuídas quatro bolsas no valor de R$ 7 mil, além da mentoria da Agência Pública para a produção da reportagem.

Os recentes rompimentos de barragens em Mariana e Brumadinho, que afetaram diversas famílias no estado de Minas Gerais, trouxeram os impactos negativos da mineração ao centro das discussões no Brasil. No entanto, os efeitos dessa atividade no meio ambiente e na vida das populações mais vulneráveis vêm desde o período colonial. Há muito o que investigar sobre uma atividade presente no país há tanto tempo e que ajuda a explicar parte de nossa formação social e econômica. Por isso, a Pública e o Comitê Nacional em Defesa dos Territórios Frente à Mineração lançam este chamado aos repórteres de todo o país.

“Os impactos da mineração são irreversíveis e causadores  de inúmeros conflitos socioambientais e violações de direitos nos territórios. O setor mineral é o que mais protagoniza crimes socioambientais no país e reconhecido pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) como um dos mais perigosos do mundo para o trabalho, com elevados índices de mortes e invalidez dos seus trabalhadores. No Brasil existe uma série de incentivos fiscais à exportação de produtos de baixa intensidade tecnológica, levando o país à reprimarização da economia. Investigar o setor é de enorme importância. A  inscrição de repórteres de todo país para as  microbolsas é importantíssima, pois há um deserto de notícias na grande mídia sobre muitas histórias da mineração nos territórios mais distantes dos grandes centros”, afirma Kátia Visentainer, jornalista do Comitê Nacional em Defesa dos Territórios frente à Mineração.

As pautas podem ser sobre quaisquer aspectos da mineração no Brasil, como violações de direitos humanos por empresas, impactos ambientais, garimpo, conflitos de terras, entre outros. Só serão consideradas propostas de reportagens investigativas. É importante que as pautas sejam originais e investiguem situações ainda não exploradas ou pouco exploradas pela mídia, principalmente nos biomas da Amazônia e do Cerrado.

Para se inscrever, é necessário enviar uma breve apresentação do repórter, referência profissional, resumo e descrição da pauta, plano de trabalho e plano de orçamento. As pautas serão selecionadas pela direção da Agência Pública em parceria com o Comitê Nacional em Defesa dos Territórios Frente à Mineração considerando a originalidade e relevância da pauta, consistência na pré-apuração, segurança e viabilidade da investigação e os recursos e métodos jornalísticos que serão utilizados.

O resultado será divulgado no dia 21 de agosto no site da Agência Pública.

Sobre a Agência Pública – A Agência Pública foi fundada em 2011 por jornalistas mulheres e tem como missão  produzir reportagens de fôlego pautadas pelo interesse público, sobre as grandes questões do país do ponto de vista da população – visando o fortalecimento do direito à informação, à qualificação do debate democrático e a promoção dos direitos humanos. Em 2019, nossas reportagens foram reproduzidas por mais de 1000 veículos em 27 países, sob a licença creative commons.

A Pública também atua para promover o jornalismo investigativo independente através de programas de mentoria para jovens jornalistas e bolsas de reportagem. A Agência Pública ganhou mais de 40 prêmios nacionais e internacionais, como o Prêmio Vladimir Herzog, Prêmio República e Prêmio Gabriel García Márquez.

A Pública é a Agência de notícias mais premiada da história do Brasil, segundo levantamento do site Jornalistas & Cia.  https://apublica.org/

Sobre o Comitê – O Comitê Nacional em Defesa dos Territórios Frente à Mineração é uma articulação de mais de uma centena de organizações,  movimentos sociais, igrejas, sindicatos de trabalhadores, entre outros. Foi constituído em 2013 e  tem no centro da sua agenda o tema da mineração: sua expansão e ameaça aos direitos sociais e territoriais; os impactos socioambientais em áreas atingidas por projetos de mineração e a reformulação do seu marco regulatório. O Comitê é um importante sujeito nas discussões da mineração no Brasil em duas vertentes: no Congresso Nacional – onde realiza importante incidência e articulação política e na comunicação, trabalhando com divulgação dos impactos e encaminhando análises e denúncias  à  imprensa. www.emdefesadosterritorios.org

Fonte: A Publica

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s