Jornalismo Ambiental no Brasil e no Mundo

Notícias e conteúdos sobre a prática do jornalismo na área de meio ambiente no Brasil e no Mundo


Deixe um comentário

Lançado site para checagem de informações ambientais

Fakebook.eco é a junção de dois outros projetos: o Fakebook, produzido em colaboração pelo OC – Observatório do Clima, o Greenpeace e o ClimaInfo em 2019, e o Agromitômetro, a iniciativa de checagem de informações ambientais do OC existente desde 2018.

O nome do site é Facebook.eco mas o endereço real na Internet é COM .br ao final: fakebook.eco.br.

A plataforma surge para sistematizar, de maneira didática, o conhecimento essencial sobre os principais mitos, as distorções e os mal-entendidos que rondam o debate ambiental no Brasil. Por um lado, o site funciona como um repositório onde mitos comuns (as “Falácias frequentes”) são desfeitos. Por outro, fará verificações rápidas (“Verificamos”) de declarações de autoridades ou fake news diversas sobre meio ambiente.

Não temos a pretensão de trazer a verdade absoluta – mas nosso compromisso é aliar o método jornalístico de verificação de fatos com as melhores referências científicas disponíveis. Como ninguém é à prova de falhas, o site tem um canal de comunicação de erros.

Fakebook.eco surge para sistematizar, de maneira didática, o conhecimento essencial sobre os principais mitos e mal-entendidos que rondam o meio ambiente no Brasil.

O nome é inspirado na música popular. Os fakebooks são uma tradição entre músicos de jazz, iniciada na primeira metade do século 20. Eles consistiam em compilações das informações básicas sobre diversas canções (os acordes, a melodia e, às vezes, a letra) para que os músicos pudessem improvisar livremente a partir delas. Com um fakebook na mão, um bom músico de jazz ou bossa nova tem um roteiro mínimo que lhe permite sobreviver a qualquer apresentação.

Quando nós começamos a checar as fake news mais frequentes do governo de Jair Bolsonaro na área ambiental, não imaginávamos que o resultado seria um libreto de 35 páginas. Ele acabou ganhando o nome de “Fakebook” – um trocadilho com seu conteúdo – porque também fornecia um roteiro mínimo a jornalistas, investidores e membros de governos e organizações internacionais que precisassem lidar com o discurso do governo sem ter conhecimento prévio da situação ambiental do Brasil.

O site tem parceria com os portais de notícias ambientais e científicas OecoInfoAmazôniaDireto da Ciência, Projeto Colabora, e com o blog O que você faria se soubesse o que eu sei?, do climatologista Alexandre Araújo Costa.

Visite e divulgue:

 


Deixe um comentário

Jornalismo Ambiental no Direto da Ciência

Screenshot 2020-03-05 09.58.19Artigo de Roberto Villar Belmonte*

O jornalismo especializado em temas ambientais abriu espaço na imprensa brasileira quando adotou a ciência como fonte central das reportagens, segundo relato de repórteres que trabalharam com a pauta ecológica nos anos 1970 e 1980, entre eles Randau Marques e Liana John. De lá pra cá a perspectiva científica passou a fazer parte do que é considerado jornalismo ambiental de referência, nas grandes redações e também fora delas.

Com as mudanças estruturais que assolaram o jornalismo devido à digitalização do mundo no século XXI, redações têm sumido e/ou murchado. Uma das consequências disso é a precarização do trabalho, a outra é o surgimento de pequenos empreendimentos produzindo jornalismo especializado de qualidade. Um exemplo é o site Direto da Ciência mantido por Maurício Tuffani.

Continuar a ler


Deixe um comentário

Prêmio José Lutzenberger de Jornalismo Ambiental é entregue em Porto Alegre

Captura de Tela 2019-10-25 às 11.08.48.png

Os ganhadores. Foto: Divulgação ARI

A sexta edição do Prêmio José Lutzenberger de Jornalismo Ambiental foi entregue recentemente em cerimônia festiva em Porto Alegre (em 22/10/2019). O editor desta página, jornalista João Batista Santafé Aguiar, colaborou como jurado sendo um dos representantes da ARI – Associação Riograndense de Imprensa.

A ARI e a a Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental – ABES Seção Rio Grande do Sul (ABES-RS), em parceria com Braskem, promoveram a cerimônia de premiação dos vencedores da sexta edição do Prêmio tendo como local  a Nau Live Spaces na presença de jornalistas dos mais representativos veículos de comunicação do RS. Continuar a ler


Deixe um comentário

Roda Viva entrevista ao vivo o Ministro do Meio Ambiente nesta segunda, 26/8

Captura de Tela 2019-08-24 às 20.30.14.pngO ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, ocupa o centro do Roda Viva na segunda-feira (26/8). O programa apresentado por Daniela Lima vai ao ar a partir das 22h, ao vivo, na TV Cultura. A entrevista ainda pode ser acompanhada no site da emissora, no Twitter, no Facebook, no YouTube e no aplicativo Cultura Digital.

Compõem a bancada de entrevistadores Ana Carolina Amaral, repórter de Meio Ambiente da Folha de S.Paulo e autora do blog Ambiência, além de dirigente da Rede Brasileira de Jornalismo Ambiental; Daniela Chiaretti, repórter especial do Valor Econômico; Giovana Girardi, repórter de Ambiente do jornal O Estado de S. Paulo; Washington Novaes, jornalista; e Daniel Gallas, correspondente de Economia da BBC na América do Sul. O programa conta também com a participação fixa do cartunista Paulo Caruso. Continuar a ler


Deixe um comentário

Publico.pt diz que ‘Ser jornalista de ambiente já é quase tão perigoso como ser repórter de guerra’

Captura de Tela 2019-06-18 às 14.21.17O jornal-web Publico.pt divulgou nesta segunda-feira (17/6/2019) matéria não assinada sobre o trabalho do jornalista na cobertura de questões ambientais. O trabalho chega a conclusão que ‘ser jornalista de ambiente já é quase tão perigoso como ser repórter de guerra’.

Público é um jornal diário de grande informação, orientado por critérios de rigor e criatividade editorial, sem qualquer dependência de ordem ideológica, política e económica, diz o próprio.


Deixe um comentário

Revista ECO21 lança financiamento coletivo

Captura de Tela 2019-05-09 às 21.26.58A Revista ECO21 abriu a possibilidade de receber ajuda via financiamento coletivo sediado no Catarse. 

A revista foi criada em 1990 para ampliar o conhecimento sobre temas ambientais no Brasil e no Rio de Janeiro em especial. A cidade receberia dois anos depois a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, também conhecida como Cúpula da Terra ou Rio 92.

Por iniciativa dos jornalistas Lucia Chayb e René Capriles, a revista continua sendo editada e mensalmente oferece o que considera de mais importante sobre meio ambiente no Brasil e no mundo, por meio  de um olhar atento e profissional e conhecimento dos temas.

Os recursos dessa captação serão utilizados para modernizar a presença da ECO21 na internet e ampliar seu alcance junto aos leitores de todo o Brasil, em um momento em que a informação qualificada ganha relevância extra frente ao grande volume de dados fora de contexto e falsos que assolam a sociedade.

  • Colabore com o fortalecimento da Revista ECO21 e sua evolução no ano em que completa 3 décadas de jornalismo
  • Site do Financiamento Coletivo SOS Revista ECO21


Deixe um comentário

Grupo de Pesquisadores lança o Observatório de Jornalismo Ambiental

Captura de Tela 2019-04-16 às 10.06.40Como primeira matéria do Observatório de Jornalismo Ambiental, o Grupo de Pesquisadores em Jornalismo Ambiental publicou nesta segunda-feira (15/4) a primeira matéria, de autoria do  jornalista, professor e doutorando em comunicação Roberto Villar Belmonte. Na matéria, intitulada “Agrotóxicos: qual a função e o limite do jornalismo?“, Belmonte analisa o conteúdo da série de reportagens veiculadas no Globo Rural, de 31 de março e 7 de abril produzidas no Paraná.

Para o autor, “as reportagens abrem com a vinheta do Globo Natureza, sugerindo ao telespectador que a perspectiva apresentada seria a da natureza ou ambiental”“No entanto”, observa, “o enquadramento foi o do Agro é Pop: a Indústria-Riqueza do Brasil, campanha publicitária em prol do agronegócio exibida no horário nobre da emissora”.

Para o professor, “O programa comprou a resposta da indústria: O Brasil tem problemas com agrotóxicos – quase 40 mil casos de intoxicações notificados entre 2007 e 2017 – porque os agricultores usam errado o veneno.”.


Deixe um comentário

Inscrições abertas até 11/3 para a Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental

Captura de Tela 2019-02-17 às 15.55.10Estão abertas as inscrições para o concurso de Curtas EcoFalante da 8a. Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental

A Mostra recebe inscrições de filmes de 11 de fevereiro a 11 de março de 2019.

A Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental é um evento anual que contribui para a difusão de importantes e premiadas obras cinematográficas raras ao público brasileiro. Através de filmes e debates, a Mostra amplia e enriquece discussões ambientais que envolvem a totalidade de nossa sociedade. Continuar a ler


Deixe um comentário

‘Eco-reportagem em multiplataforma’ será o tema da jornalista Lara Ely

ab0edb08-166d-461f-99d7-14bf7738bcd8A jornalista Lara Ely estará nesta sexta, 15/2/2019, participando da roda de conversa sobre “Eco-reportagem em multiplataforma“. Será às 18h30min no Galpão do Plátano – rua Gen. João Manuel, 627, no Centro Histórico de Porto Alegre.

A Lara que também é idealizadora do @ecohistorias irá relatar sobre sua experiência em empreender no jornalismo e sustentabilidade. De lambuja, ainda poderão ser conferidos os bastidores da série documental “Sementes do Amanhã”, que trata sobre as sementes nativas que correm o risco de extinção aqui no Brasil, em que a Lara é autora trabalhando com uma grande equipe.

O Galpão do Plátano localiza-se na escadaria existente entre a rua Gen. João Manuel e a rua Fernando Machado.

O que: Roda de conversa: Eco-jornalismo em multiplataforma com Lara Ely
Data: 15 de fevereiro, sexta-feira
Horário: 18h30min
Local: Galpão do Plátano, Rua João Manoel, 627, junto à Feira Ecológica e Colonial
Valor: contribuição espontânea
Organização: Organifica
Colaboração: Ecohistórias
Apoio: Organicidade | Galpão do Plátano


Deixe um comentário

Ecojornalismo na prática

Por Isak Bejzman,
Edição Nº 1 / Out / 1996 do Jornal Viva, do
Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul (NEJRS) (pág. 2)

Fazer jornalismo científico já é difícil; dedicar-se à  prática do ecojornalismo é bem mais complexo. Neste último tipo o jornalista media com seu texto uma relação entre o cientista e o público leigo, entrando, além disso, no assunto, também os políticos, os empresários e os interesses que navegam por esses campos. Continuar a ler